Mensagens Evangélicas de Reflexão

O que todo homem deve saber para agradar sua mulher – Adriana Fonte

O QUE TODO HOMEM CRISTÃO DEVERIA SABER PARA AGRADAR SUA MULHER

Há certos maridos que têm dificuldades de cumprirem suas funções como maridos, porém a Bíblia é ótimo bom manual para isto, só seguir suas instruções que tudo vai bem. Segundo esta, são basicamente estes os principais deveres do esposo:

1)Amar a sua esposa – este mandamento está acima de todos! O marido que não ama a sua esposa não obedece à Palavra de Deus, ocorrendo em pecado de desobediência: “Vós maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela (Ef 5:25)”. Muitos maridos porém, ouvem essa recomendação por pura formalidade. Casamento sem amor é como planta sem água: acaba morrendo. O amor à esposa, recomendado pela Bíblia porém, é o mais elevado possível. É semelhante ao amor de Cristo pela Igreja: “Como também Cristo amou a Igreja…”

Vamos compreender melhor como deve ser este amor:
* Amor sacrificial: “Cristo… a si mesmo se entregou por ela” (Ef 5:25). O esposo deve “viver” para a esposa, isso significa procurar fazer coisas que agradem a ela;
* Amor que santifica: “Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra…” (Ef 5:26). O amor de Cristo santifica a Igreja com a sua Palavra, não deve ser imoral, pejorativo. É amor que purifica o coração, não que cria mágoas ou humilha, mas que evita manchas, mágoas ou coisas semelhantes. Deve ser uma linguagem carinhosa, amável;
* O Esposo que ama, zela pelo sustento de sua esposa: Na última parte do versículo 29 do capítulo 5 de Efésios, Paulo mostra que Cristo, amando a Igreja, “antes a alimenta e sustenta”. De igual modo, é dever do esposo alimentar e sustentar a esposa. Não que a mulher seja proibida de trabalhar, pois como nos fala Pv (31:13-16), a mulher virtuosa trabalha. Mas o principal papel da esposa é de edificação do lar. Isso nada tem a ver com “governo” da família. Edificação, diz respeito basicamente a educação dos filhos, construção dos valores e caráter dos mesmos.

2) Ter União Plena Com Sua Esposa: “Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher e serão ambos uma só carne” (Ef 5:31).
A união é o resultado do amor sincero, deve ser como uma unidade, “uma só carne”, sem divisões. Essa união deve ser acima de tudo, espiritual, completada com a união afetiva e física. Daí a importância de escolher alguém não pela paixão ou amor carnal, mas que seja capaz de construir a vida juntos, somando, sendo cúmplice um do outro.

Paulo ensina: “O marido é a cabeça, ou seja, o líder da esposa (governo da família – Gn 3:16; I Tm 3:5). Porém isso, não significa que ele seja superior a ela. Os dois são “uma só carne”, uma mesma unidade.

“O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher ao marido” (I Co 7:3).

Isto significa igualdade, reciprocidade, de deveres, como vimos acima, no amor sacrificial, ele deve fazer as coisas para agradar a ela, esta é a melhor maneira de fazer isso.

As obrigações do marido perante a mulher são as mesmas da mulher perante o marido. Isso exige união de pensamentos, de sentimentos e de propósitos. Para isso, é necessário que haja muita compreensão, muito amor e diálogo.

E evitar a irritação, que surge com os problemas normais da vida dia-a-dia. A Bíblia diz, “o amor, tudo espera, tudo suporta; não se irrita”. Pode parecer difícil, mas não impossível para o Cristão que tem ajuda direta de Deus. Procure também evitar aquelas irritações normais: camisa sem botão; discussões; chinelos fora do lugar. Coisas que vão se somando e no final parecem insuportáveis, mas faça como Cristo, quando perdoa: “dos seus pecados, já não me lembro mais”. Cristo não se irrita por qualquer coisa com a Igreja, do mesmo modo o esposo cristão deve evitar as irritações com a esposa.

“Pois, para com as suas iniqüidades, usarei de misericórdia e dos seus pecados jamais me lembrarei (Hb 8:12)”.

Existem algumas táticas, para ajudar a minimizar o efeitos da rotina do dia-a-dia:
* orar sempre junto com a esposa, ao menos quando for dormir;
* ler a Bíblia junto com a esposa;
* manter diálogo constante com a esposa sobre as coisas do lar e ajudar sempre que possível;
* quando algo estiver errado, o esposo deve conversar sobre o assunto com compreensão. Pedir sugestões à esposa, sobre a melhor maneira de resolverem o problema, procurarem chegar juntos a uma solução, mostrar que a opinião dela é importante e relevante (Gn 21:12);
* ambos devem procurar cultivar o verdadeiro amor – com carinho, gestos românticos, lembrar datas importantes;
* procurar quebrar a rotina com passeios e viagens (se possível) e sempre que possível;
* tirar um tempo para lembrar a fase de “namoro”, deixando os filhos com os pais ou pessoa de confiança e indo para um lugar romântico, onde possam ficar a sós e namorar à vontade.

3) Honrar a Esposa: “Igualmente, vós, maridos, coabitai com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais fraco; como sendo vós seus co-herdeiros da graça da vida; para que não sejam interrompidas as suas orações” (I Pe 3:7).

A mulher, “vaso mais fraco”, unida ao esposo, passa a ser “uma só carne”, uma unidade com ele, é mister que vivam unidos, com entendimento e não como se a mulher fosse uma simples empregada ou um objeto dentro de casa.
Honrar é considerar as opiniões, é elevar, é dar valor, é respeitar.

Interessante que tal entendimento é o requerido pelo cristianismo, ditado pela Bíblia, por Deus. Vemos ao contrário em religiões orientais como o Islamismo, que considera a mulher inferior ao homem, como se fosse um objeto apenas.

Mas a Palavra de Deus ordena que a esposa seja amada, prezada e honrada. Contudo alguns maridos cristãos se portam como “islâmicos” e não como Cristãos!Influenciados pelo “machismo” latino, vêem a esposa como inferior, não atentando para seus gostos e opiniões, subordinando-a pela autoridade e força, contrariando completamente os mandamentos de Deus. Isso não é coisa de cristão, muito menos exemplo de Cristo, que jamais agiria assim com sua igreja. E Paulo a todo tempo compara o homem e a mulher “como” Cristo e a Igreja.

Estes homens, interpretam egoísticamente, que, sendo o marido “a cabeça da mulher”, seriam a ela. Biblicamente, não é assim.

A sujeição ao marido deve se dar pelo amor, pela atenção, pelo zelo, à semelhança da submissão da Igreja a Cristo.

Não é pela força ou pelo autoritarismo. A esposa é “a rainha do lar”, ao lado do “rei”, esposo. Os dois devem se sentar no mesmo “trono” e não em “tronos” separados.

O marido que honra a esposa procura agradá-la; demonstra afeto, carinho e interesse por ela e a esposa que honra o esposo, tem prazer de estar ao seu lado seja onde for.

Um comportamento lamentável, entretanto, que vemos, inclusive de obreiros, é que nunca são vistos ao lado da esposa. Isso não é bom sinal! Aliás, esse afastamento do esposo em relação à esposa tem sido a causa freqüente de muitos fracassos, separações e até adultérios (I Co 7:5).

O esposo que honra a esposa, procura sempre que possível estar ao lado dela, seja em reuniões, na rua e principalmente na igreja (Dt 6:7-9).

É isso que as mulheres e principalmente Deus esperam dos homens Cristãos.

E com certeza, o homem que age assim, faz com que sua esposa tenha prazer em sujeitar a ele por amor. Assim como a Igreja se sujeita a Cristo.

Além do que, terá a ajuda e justificação de Deus (Lc 18:14).

Que o Espírito Santo possa falar mais alto ao coração de cada um, mais que minhas humildes palavras. Preenchendo seu coração de toda Graça de Deus e amor.

Graça e Paz

Miss.Adriana Fonte – Aconselhamento Cristão

Facebook Comentarios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *