Com quem você anda? Bárbara Rebouças

Com quem você anda? Bárbara Rebouças

novembro 30, 2018 0 Por Barbara Reboucas

Com quem você anda?

À medida que a gente cresce vai tendo experiências, adquirimos maturidade e, consequentemente, evoluímos. Ninguém está pronto e acabado aos 20 ou aos 40 anos, nem aos 70, pois enquanto habitamos no corpo físico somos impulsionados a acrescentar novos saberes produtivos. A dinâmica da vida não para de nos formar, é um processo contínuo de grandes aprendizados e lições únicas no aperfeiçoamento interior.

Mas quem a gente escolhe para estar ao nosso lado tem papel fundamental nessa formação diária, ininterrupta. O critério seletivo, como prática indispensável durante o longo percurso de melhoria substancial da alma, está necessariamente atrelado a decisão de andar com quem soma para o bem, não o inverso.

Temos a oportunidade de traçar pré-requisitos, levando-se em conta o fundamento do caráter daquele que aproxima-se de nós. Não digo com isso que deva existir exclusão, muito menos acepção de pessoas. Refiro-me ao olhar aguçado, de maneira avaliatória, cujo norte deve necessariamente ser permeado por prudência e discernimento, afinal, nem todos que vem até nós desejam nossa felicidade, ao contrário.

Lamentavelmente, muitos são aqueles que, de modo sutil e com argumentação amistosa, se infiltram com fins escusos, pautados por sagacidade perniciosa. De modo deliberativo maquinam o mal pelas costas, elaboram estratégias persuasivas a fim de promover prejuízos, embora a aparência exterior seja equipada por falsos sorrisos de pretensa amizade, no intuito de conquistar a confiança, e, em seguida, revelar a verdadeira face dissimulada.

A Bíblia descreve, com extrema misericórdia, a história de Maria Madalena. Essa mulher era atormentada, oprimida e encarcerada espiritualmente por sete demônios. Ela andava sob o domínio das trevas. Afligida, acompanhada dia e noite pelo mal, sua vida era pontuada pelo abismo sem fim, até o momento em que encontrou-se com o Senhor e Salvador Jesus, o Deus libertador.

Cristo não apenas despedaçou suas cadeias de morte, sobretudo a amou oferecendo vida abundante. Madalena recebeu muito além da libertação maligna, seu coração decidiu firmar-se no caminho santo. Sua escolha definitiva foi seguir ao Mestre, tê-lo como melhor amigo. Ao assumi-lo como Senhor e Salvador, todo seu passado conturbado foi anulado para sempre. Ela viajou com Jesus como um dos seus discípulos e foi testemunha ocular das maravilhas de Cristo, tendo também presenciado a crucificação, sepultamento e ressurreição do Mestre. Essa mulher teve a vida completamente transformada pela graça redentora. Ela nunca mais foi a mesma. Aproxime-se de quem o conduza, com testemunho fiel, para mais perto de Cristo. Caminhe com pessoas dispostas a serem a luz de Deus em sua vida. É para glória dEle que você existe.

“Assim como o Pai, que vive, me enviou, e igualmente eu vivo pelo pai, também quem de mim se alimenta por mim viverá”. João 6:57

Bárbara Rebouças

Facebook Comentarios