5 Razões para não desistir do casamento tradicional – Kevin Deyoung

Admito seis dias em cada sete Eu me sinto fortemente pessimista sobre as perspectivas para o casamento tradicional no mundo.

Parece provável que o “casamento” se torne uma instituição cada vez mais flexível, tanto por sua definição legal e por nossas suposições culturais. As principais vozes na educação, na mídia, e na indústria do entretenimento estão profundamente envolvidas com o sucesso da revolução sexual que é difícil pensar a rápida aceitação do casamento gay que vimos na última meia década sem fazer nada, mas que tende a acelerar nos próximos anos. Conservadores e os cristãos terão todos eles de se unir para poder lidar com quem luta em manter a proteção legal e dos direitos das minorias.

Isso é o que eu sinto na maioria dos dias.

Mas de vez em quando, talvez um dia porsemana , provavelmente aos domingos, eu não posso ajudar, mas manter a esperança para o casamento tradicional. E se “estiver no lado errado da história” é mais uma ideologia progressista do que uma conclusão precipitada? E se o nosso desenvolvimento cultural não está inexoravelmente preso a um padrão ou de secularização e de libertação sexual? E se o alicerce de todas as civilizações bem sucedidas não pode ser redefinidas tão facilmente como alguns imaginam? Existem razões para pensar que o casamento tradicional pode fazer um retrocesso?

Deixe-me sugerir cinco.

1. Fecundidade Religiosa. Se a demografia é destino, devemos prestar atenção para a taxa de natalidade no país e em todo o mundo industrializado. Quem está tendo filhos suficientes para substituir a si mesmos? Não são as pessoas seculares. Por definição, não são os gays e as lésbicas. São pessoas religiosas – muçulmanos, mórmons, católicos tradicionais, os evangélicos conservadores. Nenhum aluno graves destas tendências podem discordar que a mais religiosa ea mais tradicional um casal, o mais provável é ter uma família grande. Ande em uma igreja como a nossa, e você verá que quatro crianças é normal, cinco ou seis anos não é estranho, e sete ou dez anos não é inédito. Se, pela graça de Deus e contra todas as pressões culturais, nós transmitirmos a fé e manter nossos filhos na obra, não há razão para esperar que as convicções cristãs não vai seguir o caminho do pássaro dodô na próxima geração.

2. O fator inconstante. Quando você pensa sobre a rapidez com que a opinião pública tem oscilado em favor do casamento gay, é claro que a nova conclusão não foi alcançado por causa da profundidade, reflexão ética. Houve uma inflexão ponto ele provavelmente coincidiu com a “evolução ” do presidente Barack Obama, onde se opor o casamento gay se tornou uma responsabilidade pública. Grandes áreas do povo americano está agora tendendo para o casamento gay, porque parece muito caro culturalmente, socialmente, menos politicamente. Mas o que acontece quando postar esse sinal de igual no Facebook é tão 2013? O que acontece se a multidão legal ficar entediada com o novo status quo? Acho que muitos deles vão empurrar para as águas mais obscuras sexuais, mas e se alguém empurrar para trás ? E se daqui a cinco anos, tivermos um filme estilo Juno – estilo que humoristicamente, e ainda assim de forma provocativa, questiona as nossas ortodoxias sexuais que todos estão sendo estimulados a ser? Se partidários do casamento não desabarem, aqueles que viroaram uma forma podem balançar para o outro lado quando parecer que eles estão “no lado errado da história”.

3 . Os resultados não são no interior. Eu lembro de ter ouvido uma vez Os Guinness observação que às vezes o melhor argumento cultural que podemos fazer é simplesmente , “Espere e verá”. Se Deus mandou ao mundo para ser preenchido por um marido e mulher vivendo na fidelidade ao pacto propósito de levantar e alimentar seus próprios filhos, vamos ver as coisas desmoronar quando este projeto estiver prejudicado. Cada pedaço de pesquisa em ciências sociais que temos já mostra que as crianças se saem muito melhor quando são criadas por uma mãe e seu pai, que também são seus pais biológicos. Por enquanto, o casamento gay não parece mal a ninguém. E, certamente, devemos reconhecer que muitos bondosos, amorosos parceiros homossexuais vão poder criar filhos em um ambiente aconchegante e seguro. Mas ninguém viu o que isso se parece em uma escala maior. Muito poucas pessoas se atrevem a falar sobre as realidades negativas para a saúde do sexo gay. Poucos querem ver o que mesmo muitos ativistas gays admitem (e muitas vezes celebram ) , que “casamento” gay não vai se parecer com  um casamento como do seriado (June e Ward Cleaver – Um seriado tradicional americano que era bonito o modelo de marido e mulher), exceto por ter dois Junes ou duas esposas. Nós ainda não tivemos que viver com as conseqüências do casamento gay. Se não existirem conseqüências infelizes, como conseqüência, os tradicionalistas vão perder. Se a imagem não sai tão rósada, podemos ver as pessoas repensarem a sua reação instintiva em favor de algo nunca antes testado na sociedade em geral.

4. Estique. Se os mais ardentes defensores do casamento gay e os adversários mais sérios concordam em uma coisa que é que o casamento gay é apenas o começo de uma transformação total do casamento e da família como a conhecemos. Isso quer dizer que casamentos abertos e múltiplos casamentos e casamentos incestuosos acabarão por ser aceitadas na opinião popular e protegida por lei?  Talvez. Ou talvez, vamos ser despertados para uma a realidade que está acontecendo muito mais do que o direito de visitação hospital. O que acontecerá quando um filho se casar com o seu pai idoso, de modo a evitar os impostos sobre a herança? Será que a maioria do povo americano dizer “isto não foi o que se inscreveu para” quando há inúmeras histórias pessoais para compartilhar dos cristãos e outras pessoas religiosas perdendo seus empregos, seus filhos, e sua dignidade porque eles se atrevem a acreditar no que quase todos neste país sempre acreditou sobre o casamento? Será que os defensores do multiculturalismo são íntegros o suficiente para ouvirem os africanos e asiáticos que não compartilham do nosso entusiasmo para a revolução sexual? Será uma geração de filhas mais aprimoradas convencerão as pessoas de que a sexualidade sem limites é moralmente falidas e repugnante? Talvez o sapo na chaleira vai ficar quente demais muito rápido e saltar para a segurança.

5 . Testemunho cristão. Como cristão, este último ponto é o mais importante para mim. É o que vai refletir mais a nossa fidelidade (ou infidelidade ) e, provavelmente, os leitores deste blog de ​​ponta pode fazer muito mais sobre. Há mais de 300.000 igrejas no país. Segundo estimativas conservadoras, existem mais de 50 milhões de pessoas que vão à igreja todos os domingos. Os cristãos neste país são abençoadas, por uma rede formidável de escolas cristãs, colégios, seminários, ministérios eclesiásticos, sem fins lucrativos, agências sociais, editoras, revistas, jornais, blogs, conferências e milhares de doadores endinheirados. Tão importante quanto o processo político é, e as batalhas judiciais, e as tendências no ensino superior, bem como a cultura pop fluindo a partir de Nova York e Los Angeles, nada disso tão importante quanto o que acontece em nossas igrejas e em nossas instituições da Igreja suportados.

Não apenas sobre esta questão, é claro. Há questões mais importantes do que o casamento gay. Mas esta questão deve importar para nós também. Será que vamos ficar rápidos? Nós vamos encontrar uma maneira de ser acolhedores sem nos afirmar? Podemos amar com a afirmação incondicional? Será que vamos ter a sabedoria para crescer na compaixão e na coragem? Será que as nossas escolas evangélicas e editoras terão compromisso? Será que nossas denominações desmoronarão sob a pressão cultural? Será que os nossos acadêmicos e pastores a liderarão o caminho na fidelidade bíblica e confronto cultural cativante, ou será que vão deixar o mundo pressioná-los a se adaptar? Será que vamos trocar o favor de Deus pelo a favor dos homens? Se não houver nenhuma voz forte o suficiente para o casamento tradicional, nenhuma testemunha fiel no mundo pela beleza do marido e da mulher, como um reflexo de Cristo e da igreja, nenhuma defesa inteligente de tudo o que costumava ser óbvio, se nada disso existe em 25 anos, será tudo por nossa própria culpa.

Autor: Kevin Deyoung
Fonte: http://thegospelcoalition.org
Tradução: Daniel Fernando R. César

Facebook Comentarios

Deixe uma Resposta

Seu endereo de email no vai ser publicado. Campos marcados so obrigatorios *

*